Woody Allen: “Os antissemitas procuram um bode expiatório”

Woody Allen: “Os antissemitas procuram um bode expiatório”

O antissemitismo é impulsionado pelo desejo de encontrar bode expiatórios, e mesmo que fosse erradicado, alguma outra forma de ódio tomaria seu lugar, disse o cineasta Woody Allen em entrevista publicada em 25 de agosto pelo jornal londrino The Guardian e replicada pelo Times of Israel.

“Se não houvesse judeus no mundo, descontariam nos negros”, disse ele. “Se não houvesse negros, nos católicos. Se não houvesse católicos, achariam mais alguém. Finalmente, se todos fossem exatamente iguais, os canhotos começariam a matar os destros. Você só precisa de um outro para descarregar sua hostilidade e frustração”.

O diretor de 80 anos de idade sublinhou que, embora ele, pessoalmente, não tenha notado um aumento do antissemitismo, seus amigos têm.

“Esperamos que a maré baixe, e as pessoas percebam que os judeus não são o problema e se concentrem em seus reais problemas”, disse. “Mas o mundo está cheio de intolerância e preconceito. Freud disse que sempre haveria antissemitismo, porque os seres humanos são uns pobres coitados. E são mesmo”.

Em entrevista ao Canal 2 de televisão de Israel em 2013, Allen disse que “muitas pessoas disfarçam seus sentimentos negativos em relação aos judeus fazendo críticas a Israel, crítica política, quando na verdade o que realmente querem dizer é que não gostam de judeus”.

Leia mais.