Turquia também serviu de refúgio para judeus perseguidos

A Turquia ofereceu refúgio sobretudo a cientistas perseguidos pelo regime de Hitler. Hoje, há uma comunidade judaica no país, de maioria sefardita. Judeus de língua alemã deixaram o país depois do fim do nazismo. A Turquia era, de fato, um local seguro, se comparado a muitos outros, durante o período nazista. E não somente para as famílias judias que já viviam há muitas gerações no país, mas também para imigrantes judeus de língua alemã, que ali encontraram refúgio – sobretudo intelectuais e cientistas. Eles eram requisitados pela República da Turquia, fundada poucos anos antes, em 1923. Na época, o país procurava urgentemente mão de obra especializada para a construção do Estado e de universidades segundo os modelos ocidentais (Deutsche Welle). Leia mais em:

Ladino, idioma trazido pelos judeus ibéricos, está em extinção (Deutsche Welle)

Uma vez Chernivtsi, sempre Chernivtsi (Deutsche Welle)