Terrorista que matou três israelenses receberá US$ 3.120 mensais da AP

Terrorista que matou três israelenses receberá US$ 3.120 mensais da AP


A família de Omar al-Abed, terrorista palestino que esfaqueou e assassinou
brutalmente três membros da família israelense Salomon em 21 de julho, na
Cisjordânia, receberá US$ 3.120 mensais como recompensa, como resultado do
programa da AP para pagar palestinos que cometerem ataques terroristas. Esta
quantia é dada aos terroristas condenados por Israel a 30 anos ou mais de
prisão. A-Abel foi preso após o ataque.

O assassinato era inteiramente previsível, afirma o Tablet Magazine,
resultado direto da constante incitação oficial palestina em relação a à
Mesquita Al Aqsa. Quando o governo israelense colocou detectores de metal na
entrada do local sagrado, depois que três terroristas palestinos mataram dois
policiais israelenses em 14 de julho, a liderança palestina se mobilizou para
retratar a medida preventiva de segurança como uma tentativa israelense de
retirar do islã o seu lugar sagrado.

Não importa que, desde que Jerusalém foi reunificada em junho de 1967, Israel
tenha concedido ao Waqf, o corpo religioso muçulmano que administra o local,
completa autonomia, impedindo que os judeus rezem no Monte do Templo. Não
importa que a medida de segurança israelense tenha ocorrido após um ataque
terrorista palestino, tipo de ação que dessacraliza o local mais do que mil detectores
de metais. Abbas e seus companheiros passaram a semana dizendo que os judeus
estavam marchando sobre Al Aqsa, e o jovem al-Abed, 19 anos, ouviu.

O ódio aos judeus é frequentemente promovido nas escolas palestinas, seja por
meio de aulas ou livros didáticos, inclusive aqueles patrocinados pela
comunidade internacional. Além disso, a televisão da AP regularmente
transmite entrevistas com crianças que aspiram a se tornar
“mártires” ou imagens de terroristas que morrem ao realizar ataques
contra judeus. Após o assassinato brutal da família Salomon, os palestinos na
Faixa de Gaza foram às ruas e celebraram.

Como informa o jornalista Liel Leibovitz, do Tablet Magazine, a AP usa parte
do dinheiro que recebe de doações de diversas fontes internacionais, incluindo
o contribuinte norte-americano, para recompensar os terroristas. Apenas para
comparação: um engenheiro palestino ganha em média cerca de U $ 1.300 por
mês.

A ONG Palestinian Media Watch informou que os pagamentos aos terroristas
presos aumentaram 13%, de US$ 135 milhões em 2016 para $ 158 milhões este
ano. O orçamento para pagamentos a terroristas e suas famílias no ano de 2017
é de US$ 355 milhões.

Este ano, a Noruega exigiu que os palestinos devolvessem os recursos doados
para um centro juvenil de mulheres, batizado com o nome de uma terrorista que
matou 37 israelenses, 13 dos quais eram crianças.

Leia mais, no Tablet.

 

Omar al-Abed.
Foto: Divulgação.