Margaret Thatcher salvou vida de judia, cuja filha vive em São Paulo

Margaret Thatcher salvou vida de judia, cuja filha vive em São Paulo

 Após a morte de Margaret Thatcher, diversas homenagens e histórias ganharam repercussão, entre elas a da sua ligação com os judeus.



No ano de 1938, quando a Alemanha nazista anexou a Áustria, Edith Muhlbauer, jovem judia vienense, escreveu à sua correspondente no Reino Unido, Muriel Roberts, pedindo ajuda para fugir das atrocidades nazistas. Edith tinha apenas 17 anos, bem como sua amiga correspondente. 



Muriel e sua irmã mais nova, Margaret Thatcher, na época com 12 anos, iniciaram uma arrecadação de fundos para trazer a jovem Edith para o Reino Unido. As irmãs, que não eram de família rica, conseguiram convencer o Rotary Club a ajudá-las. 



Edith chegou ao Reino Unido e ficou em casas de diversas famílias, inclusive na casa da futura Dama de Ferro. Após dois anos lá, Edith veio para Porto Alegre, onde tinha uma tia. Seus pais também conseguiram fugir da Áustria, ajudados pelo Rotary.



Edith faleceu há cinco anos. Sua filha Betina vive em São Paulo. “Minha mãe se deu muito bem com Margaret, apesar de ser cinco anos mais velha que ela”. A amizade resistiu ao tempo: “Quando Thatcher fez 80 anos, convidou minha mãe para a festa de aniversário, mas ela não pôde ir porque já estava com problemas de saúde”, disse ao blog da Conib.



Em seu livro de memórias, Thatcher escreveu: “Edith nos falou sobre o que era viver como judeu sob um regime antissemita. Uma coisa me marcou profundamente: os judeus, disse ela, estão sendo obrigados a esfregar as ruas”.



Thatcher sempre se orgulhou muito em ter ajudado a salvar uma vida durante o Holocausto, “Nunca hesite em fazer o que puder para salvar uma vida”, afirmou em 1995, após saber que Edith estava no Brasil, viva e bem de saúde. 



O primeiro-ministro de Israel, Binyamin Netanyahu, lamentou a morte de Thatcher, a quem definiu como "uma firme amiga" de Israel e do povo judeu.



Leia mais.