LEMBRAR O BOM E O RUIM

 “Os judeus são um povo bastante diverso, mas têm pelo menos um ponto em comum: lembrar o bom e o ruim”, afirmou Paulo Maltz, presidente da Federação Israelita do Rio de Janeiro. “E lembramos também o ruim, não porque gostamos de sofrer, mas porque milhões desconhecem a história do Holocausto, a indiferença do mundo, a negação de refúgio aos perseguidos pelo nazismo”, prosseguiu. Agora, uma lembrança boa: “Os países que nos expulsaram decaíram; os que nos acolhem, crescem”.