Leitor comenta palestras de Ben Abraham em Manaus

 O leitor Saulo Tavares, de Fortaleza, escreveu ao boletim da Conib, comentando o teor das palestras do escritor e sobrevivente do Holocausto Ben Abraham, realizadas em Manaus na semana passada (veja matéria acima).

Leia abaixo a carta de Tavares:

“O escritor Ben Abraham respondeu em Manaus à já tradicional pergunta: se já tinha conseguido perdoar todo o sofrimento sofrido pelo seu povo na Segunda Guerra Mundial. Sua resposta não poderia ser outra: "Perdoar, nunca. Reconhecer esforços para reparar o erro, sim".

Muitas pessoas nos perguntam se perdoamos o que sofremos durante o último conflito mundial, esperando uma resposta positiva. Acho, no entanto, que seria impossível a qualquer ser humano decente, não apenas judeu, perdoar tudo o que foi feito pelos nazistas naquela guerra.

Perdoar significa reconhecer o desejo legítimo, de quem errou, de se arrepender e reparar o erro cometido. Não é isso, infelizmente, o que vemos por parte dos nazistas e seus simpatizantes. O que se vê é não apenas a tentativa de justificar o ocorrido, como também o esforço de levar o passado ao esquecimento e o desejo de que tudo seja feito novamente.

Pessoas como Ben Abraham têm a missão, com a ajuda de todos nós, de não deixar que isso volte a ocorrer. Que o monstro nazista não reerga sua cabeça e ameace novamente a humanidade com seu veneno e ódio desmedidos”.