HIAE: ‘Criado pela comunidade judaica, mas não para a comunidade judaica’

HIAE: ‘Criado pela comunidade judaica, mas não para a comunidade judaica’

 Em matéria publicada na edição de 15 de outubro, a Folha de S. Paulo destacou os resultados obtidos pelo Hospital Israelita Albert Einstein (HIAE), que comemora 40 anos de existência.

O jornal entrevistou Claudio Lottenberg, presidente do HIAE e da Confederação Israelita do Brasil, que lembrou a importância da iniciativa da comunidade judaica na consolidação do hospital. "Ele foi criado pela comunidade judaica, mas não para a comunidade judaica", afirmou.

A Folha informa que o HIAE alcançou a marca de 2.000 transplantes realizados pelo SUS (Sistema Único de Saúde) – sendo 1.150 de fígado. O hospital é o maior transplantador de fígado do mundo envolvendo doadores já mortos.

Para Lottenberg, o marco é resultado da decisão do hospital de suprir as necessidades de procedimentos de alta complexidade que o sistema público de saúde tem dificuldade de abarcar.

No mês de aniversário, o Einstein está implantando um simulador de realidade virtual para cirurgias robóticas, o Mimic. O simulador aumenta a precisão de cirurgias feitas com a ajuda de robôs.

Lottenberg calcula que as unidades do hospital atendam cerca de 1 milhão de pessoas por ano.

Leia a matéria da Folha (assinantes da Folha e do UOL).

Estiveram presentes à comemoração do aniversário, realizada na noite de 15 de outubro, o ministro da Saúde, Alexandre Padilha; o governador do Estado, Geraldo Alckmin; o ex-governador José Serra; o prefeito de São Paulo, Gilberto Kassab; os senadores Marta Suplicy e Aécio Neves; o presidente da Federação Israelita do Estado de São Paulo, Boris Ber; médicos e membros da comunidade judaica.