Hagadá [“narração”, em hebraico]  é o texto utilizado para a celebração de Pessach, contendo a história da libertação dos hebreus do Egito, confo

Hagadá [“narração”, em hebraico] é o texto utilizado para a celebração de Pessach, contendo a história da libertação dos hebreus do Egito, confo

Uma reunião recente do Comitê Executivo do Congresso Judaico Mundial (CJM), em Paris, abordou, entre outros temas, o crescente antissemitismo na Europa, a crise na Ucrânia e os 20 anos do atentado à AMIA, em Buenos Aires. O ministro do Interior da França, Manuel Valls, nomeado esta semana premiê, falou sobre o antissemitismo em seu país.

Entre os participantes, Jack Terpins, presidente do Congresso Judaico Latino-Americano (CJL), Julio Schlosser, presidente da DAIA-Delegación de Asociaciones Israelitas Argentinas; Leonardo Jmelnitzky, presidente da AMIA-Asociación Mutual Israelita Argentina, e Sebastian Azerrad, o mais jovem membro do executivo do CJM.

O Congresso aprovou resolução em que lamenta a falta de justiça no caso AMIA: “O Judiciário argentino tem há muito tempo provas inequívocas de que o ataque terrorista foi encomendado e planejado por altos funcionários do governo iraniano. Apoiamos AMIA e DAIA em seus esforços para persuadir o governo da Argentina a encerrar o Memorando de Entendimento com o Irã".

O CJM também pede a suas filiadas que exijam ao governo do Irã a entrega dos iranianos procurados pela Interpol.