Fórum pede posição da indústria da Internet contra o discurso do ódio

O V Fórum Global de Combate ao Antissemitismo reuniu em Jerusalém na semana passada mil especialistas e ativistas de todo o mundo. Entre as principais medidas discutidas e acordadas estão: A luta contra o ódio na Internet – Remoção de sites que negam o Holocausto; – Cancelamento de resultados de busca na web que pregam o ódio (por exemplo, uma busca pelo termo "judeu" em inglês direciona para sites antissemitas); – Estabelecimento de um organismo nacional em cada país para aplicar a legislação e exigir aos fornecedores de Internet que imponham suas regras contra a hospedagem de conteúdo de ódio; – A adoção de uma posição global unificada da indústria da Internet contra o discurso do ódio e antissemitismo. A luta contra o antissemitismo na Europa Após o surto de antissemitismo na Europa em 2014, ameaçando a vida judaica em alguns países europeus, é de extrema importância que os governos e as instituições europeias ajam para promover os seguintes passos: – adoção de uma definição formal, legal do antissemitismo, que inclua os ataques contra a legitimidade do Estado de Israel e a negação do Holocausto. – Reforçar a legislação contra o antissemitismo e o treinamento da polícia para melhor aplicar as leis existentes. – os Ministérios da Educação na Europa deve promover a educação para a tolerância religiosa e a preservação da memória do Holocausto. Entre os participantes, estiveram ministros europeus seniores e líderes islâmicos e representantes de 80 países e sete religiões. O fórum foi organizado pelo Ministério das Relações Exteriores de Israel, juntamente com o Ministério de Assuntos da Diáspora.