Europa, Síria e ambiente

As três crises requerem a intervenção de vários países atuando em conjunto, já que nenhuma nação isolada, nem mesmo uma superpotência, pode resolvê-las por conta própria. Além disso, esses problemas se complicam pelo fato de vir diminuindo a capacidade dos países de se colocarem de acordo e atuarem de modo conjunto. E, ao mesmo tempo em que se reduz a capacidade da comunidade internacional de coordenar sua ação, a globalização faz com que aumentem os problemas que requerem que isso aconteça. Embora os problemas tenham se tornado globais, os acordos políticos necessários para resolvê-los continuam sendo tão locais quanto sempre. Só haverá uma gestão melhor dos problemas globais quando os cidadãos derem a seus governos o poder de se ocupar de problemas que, embora ainda pareçam distantes, acabarão por ter consequências muito concretas em todos os lares. Hoje em dia somos todos vizinhos, mesmo que um oceano nos separe (Por Moisés Naím, Folha de S.Paulo).