Em homenagem a Peres, Obama resgata significado da palavra “sionismo”

Em homenagem a Peres, Obama resgata significado da palavra “sionismo”


O presidente dos EUA, Barack Obama, foi o último a discursar no funeral de Shimon Peres. Ele destacou o ideal sionista do último dos pais fundadores de Israel.

Segundo Obama, o ex-presidente de Israel mostrou ao mundo que a justiça e a esperança são o cerne da ideia sionista, esclarecendo aos inimigos de Israel o verdadeiro significado palavra “sionismo”. O ethos sionista, disse ele, procura “uma vida livre, em uma pátria recuperada. Uma vida segura, em uma nação que pode defender-se por si mesma. Uma vida plena, em amizade com nações que possam ser consideradas aliadas, sempre”.

“A experiência do povo judeu é a história de um povo que, ao longo de tantos séculos, nunca desistiu do instinto humano básico de querer voltar para casa. É a história de um povo que foi pisado pela opressão e sofreu o fechamento das portas das câmaras de gás, e ainda assim nunca desistiu da crença na bondade”, continuou Obama.

O presidente americano citou Peres para defender sua convicção de que o futuro de Israel depende da sua capacidade para alcançar a paz com os seus vizinhos, e em primeiro lugar os palestinos: “Eu não acredito que Peres fosse ingênuo, como diziam seus críticos à direita do espectro político. Entendeu por experiência própria que a verdadeira segurança vem através da paz com seus vizinhos. Disse-me uma vez, sobre as guerras vividas por seu país: “Ganhamos todas, mas não alcançamos a maior vitória a que aspirávamos: libertar-nos da necessidade de conquistar vitórias.”

[Nota da Conib: para o editor do site Times of Israel, David Horowitz, Obama sem dúvida pensou um pouco em si mesmo e na maneira como é percebido pelos israelenses linha-dura].

Obama prosseguiu: “Mesmo em face de ataques terroristas e repetidas decepções na mesa de negociações, Peres insistiu que os palestinos deveriam ser vistos como iguais em dignidade aos judeus e iguais em autodeterminação. Por causa de seu senso de justiça, análise da segurança de Israel e compreensão do significado de Israel, ele acreditava que a ideia sionista estaria melhor protegida quando os palestinos também tivessem um Estado próprio”.

“Shimon acreditava que o excepcionalismo de Israel estava enraizado não apenas na fidelidade ao povo judeu, mas também na visão moral e ética e nos preceitos de sua fé judaica. ‘O povo judeu não nasceu para governar outro povo. Desde o primeiro dia, somos contra escravos e senhores”, ele diria”.

“O último da geração fundadora se foi”, finalizou Obama. Seus feitos equivaleram aos de milhares de homens. Mas ele entendeu que é melhor viver até o fim de seu tempo na Terra com um desejo não voltado ao passado, mas sim aos sonhos que ainda não se tornaram realidade – um Israel seguro e em paz justa e duradoura com seus vizinhos”.

Leia o discurso completo de Obama.