Deputado elogia evento no PR e alerta sobre extremistas na Tríplice Fronteira

Deputado elogia evento no PR e alerta sobre extremistas na Tríplice Fronteira

 “Foi uma solenidade maravilhosa, longa, mas jamais cansativa”, disse o deputado estadual gaúcho Pedro Westphalen (PP/RS) sobre a cerimônia de inauguração do Museu do Holocausto, em 20 de novembro, em Curitiba. Ele veio à capital paranaense a convite de Henry Chmelnitsky, vice-presidente da Conib, com quem mantém estreita relação.


Sua ligação com as causas judaicas não é recente. Westphalen participou em 2009, em Buenos Aires, da homenagem às vitimas do atentado à entidade judaica AMIA, ocorrido em 1994. Ele se disse então “impressionado pela conversa com o promotor do caso acerca do acobertamento das investigações feito pelo governo Menem”.

Atuando no combate à intolerância em seu Estado, o deputado afirma que os grupos neonazistas gaúchos não são expressivos, mas se diz preocupado com a situação na Tríplice Fronteira e a possibilidade de ação no País de extremistas ligados ao Irã.

Na solenidade em Curitiba, Westphalen ficou impressionado com o discurso do escritor Ben Abraham, sobrevivente do Holocausto, que agradeceu ao Brasil pela acolhida, e elogiou a ministra Maria do Rosário Nunes, da Secretaria dos Direitos Humanos, pelo discurso “comedido e eficaz”. Ele parabenizou a Miguel Krigsner, idealizador do museu, e à comunidade judaica pela organização do evento.