De Minas e Tocantins ao mundo: Concurso Anne Frank premia vencedoras

De Minas e Tocantins ao mundo: Concurso Anne Frank premia vencedoras

 Lívia Fernanda de Souza Mendes, de 13 anos, aluna do 8º ano da Escola Municipal Anne Frank de Belo Horizonte, foi homenageada nesta segunda-feira, 3 de junho, na sede da escola, situada na periferia da capital mineira, após ter vencido o Concurso Nacional de Redações Anne Frank. Na terça, 4, foi a vez de Vanessa Ramos, 10 anos, da escola de Palmas, Tocantins, receber seu prêmio. Nesta quinta, 6, Letícia Ottoni da Silva, de São Paulo, receberá seu prêmio, com a presença do cônsul da Holanda, e de Nanette König, sobrevivente do Holocausto e ex-colega de classe de Anne Frank. 

Lívia Mendes ganhou uma viagem à Holanda, entre 9 e 16 de junho, para visitar a Casa Anne Frank e a Amsterdã judaica. Também foi premiada a escola mineira, por seu destaque no concurso entre as escolas da Rede Anne Frank Brasil. Na cerimônia de premiação, a estudante leu seu texto, cujo tema foi "Anne Frank e a Cultura de Paz". O site cultural LiteraTortura, de São Paulo, elogiou o texto vencedor. Tímida, Lívia, que foi destaque na Agência Minas, não fez nenhum pronunciamento. 

“Lívia e seus pais (que são separados) estavam muito emocionados”, contou Karen Sasson, diretora executiva da Conib. O pai de Lívia é vendedor; a mãe, doméstica. Ela foi liberada pela patroa para ir a Amsterdã com a filha.

A escola compareceu em peso à cerimônia na capital mineira. “As crianças ficaram eufóricas com a premiação”, disse Karen. “Estão todos sensibilizados com o tema”. Os alunos apresentaram uma peça baseada no Diário de Anne Frank, em que mostraram grande expressividade.

“O encontro com alunos, professores e famílias da escola em Belo Horizonte mostrou que o colégio tem papel central no estimulo à Cultura de Paz na região. Lívia, a estudante vencedora, com a experiência que terá na Holanda, contribuirá para melhorar ainda mais a situação da comunidade”, avaliou Alberto Milkewitz, diretor institucional da Fisesp. 

Na zona carente e violenta do Bairro Confisco, periferia de Belo Horizonte, a escola é muito respeitada. 

Marcos Brafman, presidente da Federação israelita do Estado de Minas Gerais (Fisemg) homenageou a escola, seus educadores, Lívia, que recebeu um troféu, e o ativista comunitário Marx Golgher, parceiro e apoiador da escola, falecido em dezembro de 2012. 

O evento teve a presença de Tereza Silva, representante da Secretaria Municipal de Educação; Sandra Mara de Oliveira, diretora da escola; Graça Ferreira, da liderança comunitária do Bairro Confisco; de Jacques Levy, presidente do Instituto Histórico Israelita Mineiro; professor Mário Costaz, presidente do júri; Lúcia Chermont, coordenadora do Arquivo Histórico Judaico Brasileiro (AHJB); Jaime Aronis, diretor executivo da Fisemg, e a participação da Banda da Guarda Municipal.

Em Tocantins, Vanessa Lima Ramos, de 10 anos, aluna do 5º ano da Escola Municipal Anne Frank de Palmas (TO), foi homenageada em 4 de junho, na sede da escola, Ela foi a vencedora na categoria Alunos do 5º ano.

Seu prêmio: um tablet. A estudante leu seu texto, cujo tema foi "Anne Frank e a Cultura de Paz". 

“É uma sensação muito boa, porque competi com alunos de outras escolas do País e pensava que seriam melhores do que eu, então vencer me deixou muito feliz”, comemorou Vanessa. O resultado também alegrou o prefeito de Palmas, Carlos Amastha: “Essa conquista é resultado do trabalho desenvolvido pela escola e eu só tenho que agradecer”. O prefeito, que assumiu o cargo este ano, visitou pela primeira vez a escola. 

A mídia tocantinense destacou a premiação: O Girassol, portais Leal Junior e CT.

“Foi um evento muito importante na cidade. O prefeito agradeceu pessoalmente à Conib e à Fisesp”, ressaltou Karen Sasson. “As crianças estão ansiosas por um novo concurso, e o trabalho feito pela diretora, Cimar Cunha Mota, é muito bom”, acrescentou. A escola é laica e não tem aulas de religião, mas de valores.
 
Para Alberto Milkewitz, foi com alegria que vieram a Palmas para homenagear a aluna. “Vocês devem sentir orgulho pelo belíssimo trabalho da Vanessa, devem sentir orgulho de sua escola e do trabalho desenvolvido pelos professores, alunos e as famílias, que também têm uma parte importantíssima nessa vitória,” declarou. “É necessário destacar a participação do prefeito da cidade, que vem dando apoio total aos programas do colégio na luta contra o preconceito, a discriminação, o racismo e o bullying”, acrescentou.

O evento teve também a presença de representante do secretário estadual de Educação, Danilo de Melo Souza; da secretária municipal de Educação, Berenice Barbosa; de Cimar Cunha da Mota, diretora da escola.

“Foram redações realmente muito boas, as crianças se destacaram pelo modo como escrevem, como lidam com as diferenças, expressam seus sentimentos e passam sua mensagem”, avaliou Karen Sasson o resultado geral do concurso. “Em ambas as escolas, é possível perceber o papel educativo do Programa Anne Frank Brasil, da Conib e da Fisesp”, completou Alberto Milkewitz. 

O concurso foi criado pela Conib, em conjunto com a Fisesp e com o apoio do Arquivo Histórico Judaico Brasileiro (AHJB) e do Instituto Plataforma Brasil, destinado, em sua edição 2013, exclusivamente aos alunos da Rede de Escolas Anne Frank Brasil, criada pela Conib e pela Fisesp, em 2012. Participaram 180 alunos.

Entre os objetivos do concurso está incentivar a divulgação de conhecimentos sobre a vida e o legado de Anne Frank, estabelecendo relações com a sociedade brasileira contemporânea; relacionar conhecimentos históricos da experiência de Anne Frank para construir uma argumentação consistente sobre a relevância de uma atitude ativa na defesa da democracia, dos direitos humanos e da diversidade sociocultural.