De Bochum à Cidade do Cabo

Na série de matérias sobre judeus no mundo, a Deutsche Welle conta a história de Miriam Kleineibst, que na época do nazismo tinha 13 anos, e hoje vive no Lar de Idosos Good Hope Park – literalmente Parque da Boa Esperança -, na Cidade do Cabo. Da sala de estar, ela tem vista para o Oceano Atlântico, cujas ondas batem nos recifes de Green Point, que forma, ao lado de Sea Point, o bairro judeu da Cidade do Cabo. Lá vivem judeus que emigraram da Lituânia, Rússia e Alemanha, bem como seus descendentes. No bairro há açougues e padarias kosher, escolas judaicas e sinagogas. A tomada de poder pelos nazistas, em 1933, poria fim a uma infância tranquila. A partir de setembro daquele ano, Miriam e suas amigas só podiam sair às ruas quando estivessem pelo menos três meninas juntas. Elas eram perseguidas por membros radicais da Juventude Hitlerista, que chegaram a incitar um cachorro a atacá-las. Ao cinema os judeus tampouco podiam ir. O pai de Miriam foi obrigado a entregar sua oficina. E, em 1934, a família resolveu enviar a filha para passar uma temporada com uma família de judeus na Holanda (Deutsche Welle).