Comunidade judaica do Rio debate a convivência com as divergências

Comunidade judaica do Rio debate a convivência com as divergências

O Centro Cultural Mordechai Anilevitz e o movimento juvenil Hashomer Hatzair realizaram em 17 de julho na Sinagoga da ARI, no Rio de Janeiro, o debate “Unidade Na Diversidade – Convivemos com nossas divergências?”.
O evento surgiu a partir de conversas estabelecidas entre a Federação Israelita (Fierj) e as lideranças dos movimentos juvenis.
O diretor de relações institucionais da Conib, Sergio Napchan, abriu o debate abordando os princípios de atuação política da entidade: “A Conib sempre pautou ações e interlocuções perante a esfera pública sem distinguir posicionamentos ideológicos, ou seja, conversamos com todos aqueles com quem podemos manter um entendimento em relação às nossas causas. Negociamos nossos pleitos de forma indistinta, ou seja, independentemente de orientação partidária. Nossos limites são o respeito à democracia e o reconhecimento da existência do Estado de Israel”.
Napchan falou também sobre a diversidade no judaísmo: “Consideramos que a comunidade judaica deve assumir uma postura de equilíbrio e de desarmamento dos espíritos, atuando para que as diferenças políticas sejam discutidas e resolvidas de forma civilizada. (…) Somos herdeiros de uma tradição que privilegia o debate. A saudável diferença de opiniões jamais foi um empecilho para o desenvolvimento da vida judaica. Aqui se manifesta a nossa diversidade”.
Herry Rosenberg, presidente da Fierj, Osias Wurzmann, cônsul honorário de Israel no Rio de Janeiro, e Esther Kuperman, professora da UFRJ, responderam aos jovens presentes sobre divergências na vivência judaica, nas perspectivas sionistas, na política brasileira.
“Foi uma excelente oportunidade para estreitar laços e aproximar a liderança adulta com a liderança de um dos movimentos juvenis ativos na comunidade carioca, o Hashomer Hatzair”, avaliou Napchan. Os líderes comunitários têm criado pontes importantes com os jovens”.
Para o presidente da Fierj, “a combinação das vivências em escolas judaicas e movimentos é o que garantirá a formação efetiva das futuras lideranças”.
O evento teve apoio da Conib, Fierj e do Consulado de Israel no Rio de Janeiro, além da ARI.