Coleção Folha Grandes Biografias lança filme da BBC sobre Anne Frank

Coleção Folha Grandes Biografias lança filme da BBC sobre Anne Frank

 A Coleção Folha Grandes Biografias no Cinema lança esta semana o filme “Diário de Anne Frank”. A versão selecionada é uma produção de 2009, dirigida por Jon Jones para a rede britânica BBC. A atriz Ellie Kendrick faz o papel da garota judia. O projeto foi concebido em duas frentes, exibido como minissérie na TV e como longa-metragem nos cinemas. Veja a abertura da série.

 
O historiador Roney Cytrynowicz publicou recentemente no site Publishnews uma multifacetada análise sobre a vida da menina judia e seu “O Diário de Anne Frank”, um dos livros mais vendidos do mundo, que mereceu a atenção de nomes como o sobrevivente do Holocausto Primo Levi, um dos maiores escritores do século 20, e o psicanalista Bruno Bettelheim.
 
Roney refere-se a ambos, em busca de uma explicação para o grande sucesso do livro. “Em uma história com a dimensão do Holocausto, em que seis milhões de pessoas foram mortas, a história de uma única vítima comove. Porque se fôssemos tentar nos aproximar do que significa o genocídio de milhões de pessoas, simplesmente não aguentaríamos continuar vivendo”, escreveu Levi.
 
Cytrynowicz vê um paralelo na “lógica individualizada da cobertura de mídia sobre outros genocídios e massacres”, como a difusão das imagens dos meninos sírios Omran Dagneesh, dentro de uma ambulância após ser ferido, e Aylan Kurdi, cujo corpo foi jogado numa praia turca em 2015. Os dois casos causaram comoção mundial.
 
Já Bettelheim sugeriu que, embora seja uma história relacionada a Auschwitz, o diário não conta o destino final de Anne. Ele termina antes, como se pudéssemos esconder de nós mesmos o que aconteceu depois.
 
Com base em texto da psicóloga Roseli Sayão, que sugere que uma das diferenças da adolescência de hoje para a de anos atrás é que antes os jovens escondiam seus segredos dos pais e adultos, hoje eles os escancaram nas redes sociais, Cytrynowicz propõe outra dimensão para entender o sucesso do livro: “o acesso ao mundo íntimo, aos sentimentos, conflitos, angústias, desejos, sonhos de uma jovem”.
 
Leia o texto completo do historiador.