Chanucá

Chanucá

Festa que comemora a vitória dos judeus sobre o Império Selêucida (greco-sírio), em 165 A.E.C (antes da Era Comum), e a purificação do Templo Sagrado, em Jerusalém. Em hebraico, Chanucá significa inauguração. A festa tem esse nome para relembrar que, após a profanação pelos selêucidas, o templo foi “reinaugurado” pelos judeus. A celebração acontece por oito dias, começando, no calendário judaico, em 25 de Kislev.   Por volta de 160 A.E.C, o rei Antioco 4º, que dominava a região, iniciou uma forte repressão aos cultos religiosos judaicos, proibindo a circuncisão e o respeito ao shabat (dia do descanso), além de invadir o templo de Jerusalém, centro do monoteísmo judaico, e profaná-lo com a colocação de estátuas de deuses gregos. O objetivo do monarca era promover a assimilação e a aculturação forçada dos judeus aos costumes helenísticos. À repressão, os habitantes da região responderam com uma grande revolta, que foi comandada pelo clã dos Hasmoneus. O líder mais conhecido da revolta é Yehuda. Ele recebeu do povo o apelido de Macabeu por causa de sua grande força e liderança. Macabi é a palavra hebraica para martelo (cuja raiz etimológica é Macav). Morto em combate, Yehuda tornou-se um grande herói na tradição judaica. Os Hasmoneus passaram a ser conhecido como Macabim.   A rebelião contra os selêucidas durou três anos. Ao final, os judeus expulsaram os conquistadores. O templo foi purificado. Para marcar o evento, era necessário o acendimento da menorá, o tradicional candelabro de sete braços judaico. Porém, foi encontrado um único frasco de óleo puro necessário para acendê-la, quantidade que não era suficiente para mais de uma noite. Era necessário manter o candelabro aceso por um intervalo maior, para dar tempo aos sacerdotes de fabricar uma quantidade maior de óleo purificado, como mandava a lei sagrada. Mesmo assim, o candelabro foi aceso e, milagrosamente, esse único frasco de óleo manteve sua chama durante as oito noites que levaram até a preparação de um novo óleo. Por isso, Chanucá também é chamada de “Festa das Luzes”. Desde então, estes oito dias passaram a ser considerados santificados. Entre os principais costumes da festa está o acendimento da chanukiá, candelabro de oito braços. Entre as crianças, o costume é jogar um pião de quatro faces nas quais estão escritas as letras iniciais das palavras hebraicas que formam a frase “nes gadol haia sham”, cujo significado é “houve lá um grande milagre”. Outro hábito da festa é presentear as crianças.