Ato inter-religioso na Catedral da Sé homenageia Vladimir Herzog

Um ato inter-religioso na Catedral e na Praça da Sé lembrou neste domingo, 25 de outubro, em São Paulo os 40 anos da morte do jornalista Vladimir Herzog. A Conib foi representada por Fernando Lottenberg, presidente; Eduardo Wurzmann e Sergio Napchan, integrantes da diretoria. Este vídeo mostra a chegada deles à Catedral e boa parte da cerimônia.   Centenas de cantores, de 30 corais, se concentraram na Praça da Sé, subiram as escadarias e entraram na Catedral cantando o refrão de “Pra não dizer que não falei das flores”, de Geraldo Vandré. Veja como foi. Logo após, começou o ato.   Michel Schlesinger, rabino da Congregação Israelita Paulista e representante da Confederação Israelita do Brasil para o diálogo inter-religioso, rezou o kadish [oração para os mortos]. Assista.   O chazan [cantor litúrgico] Dani Markus, entoou trecho do Salmo 34,  seguido da  canção “Al Kol Eleh” ["Por tudo isso’], de Naomi Shemer. Assista. Trecho cantado do Salmo: “Quem é o homem que deseja a vida, que quer largos dias para ver o bem? Guarda a tua língua do mal, e os teus lábios de falarem o engano. Aparta-te do mal, e faze o bem; procura a paz, e segue-a”.   A viúva Clarice Herzog disse que seu sentimento é de vitória da sociedade. “A dor, a revolta, o ódio que senti me mobilizaram. Eu tinha que fazer alguma coisa, tinha que provar que o Vlado havia sido assassinado e consegui fazer isso”, declarou à Rede Brasil Atual.   O coral Luther King, que participou do ato em 1975, entoou canções como “Calabouço”, de Sérgio Ricardo, que esteve presente, e “O bêbado e a equilibrista”, de João Bosco e Aldir Blanc, com a cantora Cida Moreira.