“Acenos de paz”

O movimento extremista palestino Hamas pode estar próximo de anunciar uma mudança significativa em sua recusa absoluta a aceitar a "solução de dois Estados" para o conflito árabe-israelense, com uma Palestina coexistindo ao lado de Israel. De acordo com o jornal israelense Haaretz, que cita a publicação egípcia Al-Sharq, o líder político do Hamas no exílio, Khaled Meshaal, teria anunciado essa disposição ao rei da Jordânia, Abdullah II, com quem manteve reuniões nos últimos dias, em Amã. Segundo o Haaretz, Meshaal teria "autorizado" o monarca a comunicar o endosso do movimento a um Estado palestino nas fronteiras anteriores à guerra de 1967 — compreendendo a Cisjordânia, a Faixa de Gaza e Jerusalém Oriental —, como defendido em 2012 pelo presidente dos Estados Unidos, Barack Obama. Abdullah deve encontrar-se com Obama nas próximas semanas. A notícia não foi comentada oficialmente por nenhum das duas partes, e também Israel manteve silêncio. Nos últimos meses, porém, intensificaram-se os indícios de mudança na posição do movimento islâmico, como parte de uma reaproximação com o presidente da Autoridade Palestina (AP), Mahmud Abbas, líder do partido nacionalista Fatah. Abbas e o dirigente do Hamas reuniram-se no início deste mês no Egito. O encontro com Abdullah marcou a primeira visita de Meshaal à Jordânia desde 1999, quando foi expulso do país (Por Gabriela Walker, Correio Braziliense)