720 professores assistem em SP a seminário sobre Intolerância e Holocausto

720 professores assistem em SP a seminário sobre Intolerância e Holocausto

720 educadores participaram em 27 de agosto da XX Jornada Interdisciplinar sobre o Ensino do Holocausto “Educando para a Democracia e a Cidadania: Lições da Shoah – um Legado para a Humanidade”, no Memorial da América Latina.

A iniciativa é da entidade judaica de direitos humanos B’nai B’rith e do Laboratório de Estudos da Etnicidade, Racismo e Discriminação da Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas da Universidade de São Paulo (LEER/Arqshoah-USP) com a coordenação da professora Maria Luiza Tucci Carneiro, diretora do LEER, e de Abraham Goldstein, presidente nacional da B’nai B’rith.

Foram abordados o uso da arte como instrumento da memória, por meio dos desenhos das crianças de Terezin; a importância da preservação dos espaços em que as atrocidades aconteceram; narrativas da barbárie e estratégias de leitura.

Em emocionante depoimento, a senhora Kristen Follmann relatou a reação dos dinamarqueses, quando os nazistas obrigaram os judeus a usar a estrela de David: toda a população, inclusive o rei, costurou estrelas de David nas vestimentas. Kristen tinha na época nove anos.

A jornada foi finalizada com interpretação da cantora Mônica para a música “Todo mundo tem um nome”, em hebraico, numa alusão ao processo de desumanização nos campos de concentração, onde os detentos tornaram-se apenas números. Ao final, os educadores comentaram que nunca tinham visto a história por este ângulo.